BLOG

Os trialistas do South Coast estão definidos

Postado em 18.04.2013

0 comentários

O primeiro dia de competições do "The 2013 NSW South Coast Crusade", ou em bom português "A cruzada da Costa Sul de Nova Gales do Sul", ocorreu nesta quinta feira com as triagens. Este é o segundo evento do Circuito Mundial IBA GSS.

Com o objetivo de encontrar as melhores condições para o evento, a onda Mystics foi a escolhida por normalmente proporcionar boas condições para a prática do esporte. Ondas de até 3 pés com formação regular foram as "rampas" para os trialistas atingirem o evento principal.

As triagens foram disputadas por 60 atletas, composta por australianos em sua grande maioria. Um competidor da Nova Zelândia, dois japoneses, um havaiano e um francês foram as demais nações representadas nesta fase. Nenhum competidor sul americano participou e assim o caminho da divisão de acesso GQS ficou livre para os "gringos".

Apesar de ter o caminho facilitado pela falta de muitos competidores, a "zebra" se fez presente na eliminação de grandes nomes logo nas primeiras fases. Joe Clarke, Cade Sharp, Joe Jordanoff, Liam O'toole e Ewan Donnachie foram eliminados precocemente e não conseguiram avançar ao evento principal.

O grande destaque foi o jovem Lachlan Cramsie. Nas três baterias disputadas ele obteve o primeiro lugar e ainda conquistou o high score da competição para vencer as triagens. O segundo lugar ficou com Chase O'leary. A terceira colocação foi para George Humphreys. E, em quarto lugar, ficou Jake Stone. Estes quatro competidores avançam para o evento principal.

Mesmo com poucos atletas, a América do Sul está muito bem representada por Eder Luciano e Magno Passos do Brasil e Alberto Colucci da Venezuela que são os únicos “latinos" na terra dos cangurus.

Bodyboarder Visual das ondas Dan Worsley Elliott Butler Visual das ondas Harley Ward Jake Metcalfe Marshall Watson Mystics Nick Gornall Roger Pardoe Roger Pardoe Sam Strachan Shaun Pyne South Coast Tom Rigby Tom Rigby Bodyboarder
Comente
0 comentários Comente agora!
Compartilhe

As pranchas de bodyboard Found chegaram ao Brasil!

Postado em 08.04.2013

0 comentários

280

Mitch Rawlins está de volta, mas dessa vez assinando sua marca própria de pranchas que introduz um revolucionário sistema de stringers de sua própria criação: o SINGLE TORSION STRINGER™ e o FULL TORSION STRINGER™, que significam um grande avanço no desenvolvimento da tecnologia aplicada na indústria mundial de bodyboarding e também muitos anos de dedicação em pesquisar, desenhar, testar e desenvolver a melhor prancha do mundo!

Esse sistema de stringers único é inserido pela tecnologia Precision Stringer Insertion™ dentro do bloco da prancha no momento de sua "injeção", criando uma peça única, sem emendas, cortes ou partes que com o uso podem criar espaço para a água penetrar e se acomodar. Uma grande proeza de engenharia que permite novos horizontes de como uma prancha trabalha na onda, além de distribuir melhor a energia e transformá-la em velocidade. Outra grande vantagem está no controle de "rigidez" do bloco da prancha e peso final do projeto.

Uma prancha mais leve e "inteligente" é resultado final do FULL TORSION STRINGER™, revolucionário em sua forma totalmente fabricada em fibra de carbono em um sistema de peça única e contínua, sem cortes ou emendas, proporcionando que as extremidades absorvam os impactos de igual maneira nos dois segmentos paralelos. Este formato evita que eles se rompam em condições extremas, permitindo movimento de "torsão". Distribui energia de forma uniforme por toda a prancha de uma maneira nunca vista antes, o que possibilita mais durabilidade e desempenho na sua performance!

O sistema SINGLE TORSION STRINGER™ traz um stringer tubular com as extremidades em forma de "colher" que agem como um reforço longitudinal. Este formato também possibilita o efeito de "torção", distribuindo melhor a energia absorvida pela prancha de forma plana, durante os momentos mais extremos como as manobras ou "botton turns" em ondas de mais potência.

Ambos os sistemas de strigers são uma grande evolução na maneira em que são fabricadas as pranchas. Mas a maior revolução é garantida pela tecnologia Precision Stringer Insertion™ que garante que a espuma do bloco seja uma peça única com os stringers de carbono. Essa tecnologia está disponível na com exclusividade nas pranchas Found Mitch Rawlins Signature Series, desenvolvidas pelo renomado shaper Jarod Gibson, considerado o mais revolucionário "designer de pranchas" do mercado mundial na atualidade!

Surfe com a prancha que Mitch Rawlins surfa.

Adquira agora mesmo uma das Found Boards na maior e mais conceituada bodyboardshop da America Latina que está com uma grande variedade de modelos, cores e tamanhos para lhe oferecer com a garantia que somente uma loja dentro do Brasil pode lhe assegurar. Conheça os novos produtos AQUI.

Comente
0 comentários Comente agora!
Compartilhe

Ben Player, Isabela Sousa e Sacha Specker vencem o GoPro Pipeline 2013!

Postado em 02.03.2013

0 comentários

O primeiro evento do Circuito Mundial Iba GSS terminou nesta sexta feira em Pipeline. Esta importante etapa oferece pontos que podem ser decisivos na definição do título do ano, além do prestígio de ser campeão sobre as mais famosas bancadas de corais do mundo no Hawaii.

A bateria de abertura do último dia de competição, Round 6, foi de baixa para o Brasil. Magno Passos, atleta da equipe Classic Fins, acabou eliminado em terceiro lugar em uma bateria extremamente disputada contra os australianos Damian King, Nick Ormerod e o sul africano Jared Houston. A forte correnteza deixou a formação irregular das ondas. O veterano King venceu a bateria e, em segundo, ficou o jovem Jared.

Outros dois competidores brasileiros estariam no mar no segundo embate da fase. Dessa vez, o multi campeão Guilherme Tâmega e Uri Valadão, dois brasileiros campeões mundial. Eles competiram contra o local Spencer Skipper e o porto riquenho Ruben "Babe" Quiñoñes. Em outra bateria marcada pelas condições irregulares e pelo vento lateral que aumentava a cada momento, os dois brasileiros tiveram desempenhos totalmente diferentes. GT, que reside na Ilha, teve mais paciência e sorte na escolhe de ondas, mas mesmo assim só conseguiu a segunda colocação frente ao adversário local. Spencer Skipper venceu e eliminou Babe em terceiro e Uri, em quarto lugar.

Na terceira bateria, mais um competidor brasileiro defenderia sua permanência no evento: Lucas Nogueira do Espirito Santo enfrentou dois campeões do mundo: Ben Player e Amaury Lavernhe, e ainda a estrela australiana de muitos vídeos atuais, Jake Stone, um dos mais inovadores bodyboarders da atualidade. Lucas teve uma ótima onda, mas lhe faltou uma segunda nota para compor o somatório e assim ele não conseguiu superar a experiência dos dois campeões mundiais.

No quarto confronto da fase, Eder Luciano era o representante brasileiro na água contra o atual campeão do mundo Jeff Hubbard, Diego Cabrera e a lenda da África do Sul André Botha. Em um início fulminante, Jeff impôs o seu ritmo tradicional e assumiu a liderança para não largar mais. André Botha confirmou sua boa fase e fez duas boas ondas de tubo e manobra que lhe garantiram o segundo lugar. Eder Luciano não encontrou a onda certa para virar a bateria, mesmo com duas boas ondas de tubo e rolo não lhe renderam a pontuação suficiente para a tão sonhada classificação para as quartas de final. Em quarto ficou o atleta canário Diego Cabrera.

A quinta bateria foi realmente incrível. Composta por três australianos, Dave Winchester, Sam Bennet e Ryan Hardy e o sul africano Sacha Specker. Winny fez uma bateria impecável desde a primeira onda de um tubo gigante. Na segunda, uma boa combinação de ARS e rolo que lhe garantiu a vitória. Em segundo ficou Hardy que completou um bom aéreo.

Na sexta bateria, o destaque foi a vitória do veterano Mike Stewart sobre Mitch Rawlins num duelo da velha e nova gerações. Pierre Louis Costes venceu a sétima bateria em que o surpreendente atleta japonês Yoshitada Kondo foi segundo colocado. Ele é o primeiro competidor de seu país a se classificar para as quartas de final. A última bateria da fase foi vencida pelo local Dave Hubbard, sendo o australiano Andrew Lester o segundo classificado.

Quartas de final
Guilherme Tâmega era o último competidor brasileiro em prova. Uma bateria de campeões do mundo com Damian King, Amaury Lavernhe e André Botha. Onze 11 títulos em um confronto inédito na história do esporte que valia a classificação para as semifinais e a permanência no maior evento do ano!

Numa bateria sensacional, King mostrou que é da "realeza" do esporte e foi o primeiro classificado com todos os méritos. A maior dificuldade era definir o segundo entre tantas lendas, em uma das mais equilibradas baterias do dia! Felizmente para a torcida brasileira GT conquistou a segunda colocação!

A segunda bateria foi outra verdadeira "pedreira". Na água, os locais Jeff Hubbard e Spencer Skipper contra o sul africano Jared Houston e o aussie Ben Player. Jeff mostrou a competência de sempre e passou com uma certa facilidade, inclusive trocando nota no final com 360 aéreo. Ben ficou em segundo com sua clássica linha de ondas, mostrando sintonia com Pipeline.

Dave Winchester "destruiu" o heat! Pierre Loius Costes fez o seu melhor, mas não conseguiu superar a performance do aussie mesmo com um ótimo backflip. Os australianos Mitch Rawlins e Andrew Lester sequer ameaçaram a classificação de seus adversários.

Na última bateria das quartas, duas lendas locais: Mike Stewart e Dave Hubbard contra o australiano Ryan Hardy e o surpreendente japonês Yoshitada Kondo. Confirmando o favoritismo, "tio Mike” e sua barba mostraram como se faz um bom tubo, vencendo a bateria com direito a 360 dentro do tubo! DHubb conseguiu a classificação no final, após ser fortemente ameaçado pelo competidor japonês que, ao contrário do que se imagina, é um excelente tube rider!

Semifinais
O primeiro confronto foi marcado pela eliminação do último representante brasileiro. Guilherme Tâmega só não conseguiu a classificação porque insistiu em tentar o 360 aéreo, manobra audaciosa, que rende bons pontos quando a completa. Damian King foi quarto, em uma bateria sem expressão. Jeff Hubbard se classificou em primeiro e Ben Player, em segundo.

Dave Hubbard surpreendeu a todos na segunda bateria, garantindo a sua vaga na final com a maior pontuação das semis. Pierre Louis Costes ficou com a segunda vaga, eliminando a Dave Winchester em terceiro e Mike Stewart em quarto.

Finais
Drop Knee
A categoria foi vencida pelo campeão mundial do ano passado, o sul africano Sacha Specker que conquistou o título The King of Pipe contra os melhores atletas da modalidade. Em segundo, ficou Dave Hubbard, em terceiro, Dave Winchester e Cesar Bauer, em quarto.

Feminino
Nenhuma surpresa na final feminina! A brasileira Isabela Sousa conquistou sua segunda vitória consecutiva em Pipe, confirmando que está um nível acima das outras competidoras! Em segundo, ficou a japonesa Minami Hatekayama que tem mostrado grande evolução e por isso a brasileira Karla Costa Taylor, apesar de toda a sua experiência, não conseguiu superá-la. Fechando, em quarto, a japonesa Sari Ohhara.

Masculino GSS
A grande final foi, sem dúvidas, a melhor bateria de todo o campeonato! O havaiano Jeff Hubbard liderou toda a disputa, mas, no último minuto, Ben player encontrou a onda que lhe permitiu vencer o campeonato, conquistando seu primeiro título em Pipeline! Ben Player é o "King of Pipe"e lança sua candidatura ao título mundial!

Pierre Louis Costes ficou em terceiro e os irmãos Hubb tiveram o privilégio de juntos participarem da final. Jeff ficou com o segundo lugar e Dave foi quarto.

Ben Player vence o Pipeline Challenge 2013 Ben Player Ben Player e Ryan Hardy Finalistas da categoria principal masculina GSS Amaury Lavernhe Andrew Lester Ben Player Ben Player na onda da vitória Ben Player na onda da vitória Ben Player na onda da vitória Ben Player na onda da vitória Ben Player na onda da vitória Ben Player na onda da vitória Dave Hubbard Dave Hubbard Dave Winchester Dave Winchester Dave Winchester Dave Winchester Guilherme Tâmega Guilherme Tâmega Jeff Hubbard Jeff Hubbard Karla Costa Taylor Mike Stewart Mike Stewart Minami Hatekayama Mitch Rawlins Pierre Louis Costes Sam Bennett Spencer Skiper Isabela Sousa Finalistas da categoria feminina Finalistas da categoria dropknee
Comente
0 comentários Comente agora!
Compartilhe

Terceiro dia de competições do GoPro Pipeline Challenge 2013

Postado em 01.03.2013

0 comentários

Depois de uma longa espera pelas melhores condições, o Pipeline GoPro Challenge voltou com tudo na onda mais mítica do planeta!

Nesse terceiro dia de competições, o evento iniciou em condições ainda distantes das ideais, mas, felizmente, já era possível notar o swell se aproximando com potência para garantir muita emoção nas areias do north shore havaiano.

O Round 3 do evento principal GSS entrou na água com o primeiro brasileiro a competir na terceira bateria. Nicholas Bastos conquistou uma vitória heroica frente às difíceis condições e assim avançou para o próximo round com o português Antonio Cardoso.

O capixaba Lucas Nogueira competiu a quarta bateria e, com muita experiência, conquistou a classificação em segundo lugar com um rolo extremamente potente em uma "bomba" de cerca de seis pés. Lucas lutou, mas não encontrou uma segunda boa nota para vencer a bateria. De qualquer forma, o importante é que ele avançou para o Round 4.

Outro bom resultado nessa fase foi o do cearense Fabio Rodrigues que, com dois ótimos tubos para Pipeline, conquistou a vitória com o maior score do round! A única parte ruim desse resultado é que ele enfrentará dois brasileiros na próxima fase: seu conterrâneo Roberto Bruno e o capixaba Helinton Loureiro.

O mar foi aumentando gradativamente e, no Round 4, as ondas atingiam, tranquilamente, seis pés, com séries ainda maiores. E, com o vento diminuindo, as condições já eram dignas para este Pipe Masters.

A terceira bateria contava com a participação de dois brasileiros: Nicholas Bastos e Lucas Nogueira que enfrentaram o canário Diego Cabrera e o arubenho Jorge Colomer. O canário venceu a bateria e Lucas ficou com o segundo lugar. Nicholas acabou eliminado em quarto e foi a primeira baixa brasileira do dia.

Com o mar subindo cada vez mais, porém com a formação prejudicada pelo vento e pela correnteza, sua majestade Pipeline foi mostrando força com o avanço do round.

Na sétima, um esquadrão brasileiro contra Gastão Entrudo, em uma bateria de língua portuguesa com Fabio Rodrigues, Roberto Bruno e Helinton Loureiro. Fabinho fez a primeira onda em uma boa esquerda, combinada com um aéreo, apesar de pouco valorizada, lhe deu a liderança. Depois ele fez o maior “wipeout” do dia em uma “bomba” para Pipeline. Roberto Bruno também pegou uma onda que não lhe rendeu bem, assim como Helinton que tentou um rolo, mas não completou a manobra. O adversário tuga também não teve muita sorte ao tentar um aéreo. Então, até os últimos 10 minutos, Fabio era o líder com aquela primeira onda. E assim chegou a hora do “desespero”! Helinton pegou a maior onda da bateria, encaixou um rolo na junção e garantiu a pontuação suficiente para assumir a bateria. O adversário português precisava de uma onda 3,3 pontos para o segundo lugar e, na última onda, perfeita para o backdoor, ele entubou, mas não saiu, garantindo a vitória de Helinton Loureiro e o segundo lugar de Fabio na dobradinha brasileira!

A direção de prova deu continuidade no evento com o Round 5 e a entrada de grandes nomes do circuito! Na primeira bateria, Damien King deu um show e venceu. Ruben Quiñoñes também se classificou em uma bateria realmente incrível com direito a ótimos tubos!

Lucas Nogueira competiu com a lenda André Botha da África do Sul, o português Antonio Cardoso e o local Jacob Romero, numa disputa em que o sul africano fez ondas para lembrar seu primeiro campeonato do mundo e agora figurar como um dos favoritos ao título da etapa. Lucas surfou muito bem, fez boas ondas e ainda encaixou o melhor rolo de toda a competição, garantindo a vaga de segundo lugar e a classificação para o Round 6.

O francês Chalie Chapelet conquistou a maior pontuação do evento até o momento com 9,88 pontos em um tubo gigante. Ele atingiu a barreira dos 18,01 pontos no somatório! O australiano Ryan Hardy se classificou em segundo nesta disputa.

Hellinton Loureiro foi eliminado na sétima bateria, pois, infelizmente, o competidor brasileiro não teve muita sorte na seleção de ondas e acabou eliminado na quarta colocação. O local Kainoa McGee não teve um resultado expressivo e assim os australianos Jones Russell e Lewy Finnegan classificaram-se para o próximo round.

Na última bateria do dia, o cearense Fabio Rodrigues foi o representante brasileiro na água, mas a sorte não favoreceu o competidor que ficou em quarto lugar. Quem venceu foi o local Dave Hubbard. Em segundo, ficou o competidor Yoshitada Kondo que segue avançando no evento principal, conquistando um dos melhores resultados para um competidor japonês em Pipe.

A sexta feira será o dia decisivo em Pipe. Os atletas TOP 16 competem a partir do sexto Round que tem previsão de início às 15h do horário de Brasília. Boa sorte a todos os brasileiros!


 

Adnane Bensilmane Visual do evento Dallas Singer Dan Worsley Diego Cabrera Edwin Aldana Fabio Rodrigues Bodyboarders Gastão Entrudo Jake Stone Keahi Parker Lewy Finnegan Nicholas Bastos Ruben Quinones Ryan Hardy
Comente
0 comentários Comente agora!
Compartilhe

AO VIVO - GoPro Pipeline Challenge 2013

Postado em 19.02.2013

0 comentários

AO VIVO Via Ibaworldtour

Comente
0 comentários Comente agora!
Compartilhe
TV B2BR
mais videos

B2BR